Violência no trânsito: vamos mudar este cenário?

Compartlhar:
Publicado em: 26/01/2017    Autor(a): Josiane Benedet
Violência no trânsito: vamos mudar este cenário?

Você tem ideia de quantas pessoas são vítimas da violência no trânsito? Deve passar pela sua cabeça que são muitas. Mas, em números, o que “muitas” significa?

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 1,25 milhão de pessoas morrem a cada ano no trânsito, sendo a principal causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos. No Brasil, dados do Ministério da Saúde mostram que em 2014, na faixa-etária de 0 a 10 anos, a violência no trânsito fez 1053 vítimas fatais.

De acordo com o mais recente Relatório Global sobre o Estado da Segurança Viária (2015), elaborado pela OMS, metade das mortes no trânsito de todo o mundo ocorre entre as pessoas menos protegidas: motociclistas (23%), pedestres (22%) e ciclistas (4%).

Quando se refere às vítimas sequeladas os números são assustadores: em todo o mundo 50 milhões de pessoas sobrevivem com alguma consequência decorrente da brutalidade no trânsito, que além do impacto social gera um alto custo aos cofres públicos.

Porém, mais preocupante que o prejuízo econômico é o prejuízo social, emocional e afetivo das pessoas envolvidas. São famílias, lares, vidas comprometidas, que se não tiverem o devido suporte potencializarão os danos causados por esse tipo de violência, impactos estes que não constam nas estatísticas oficiais.

A cidade onde está a sede do IPTRAN, Curitiba, possui uma das taxas mais altas de violência no trânsito entre os 10 municípios mais populosos do País. Vamos, juntos, mudar este cenário? Conte para nós o que você faz no dia a dia para colaborar com a mobilidade urbana. Se você mora em outra cidade, participe também (envie um e-mail para contato@iptran.org.br com a sua dica ou sua história).